Se Liga no Texto

Onde a leitura e a tecnologia modificam o modo de pensar.

13 de Maio – “Libertação dos Escravos no Brasil”, ou “Abolição da Escravatura”

maio13

Hoje, comemora-se também o dia da “Libertação dos Escravos no Brasil”, ou “Abolição da Escravatura”. Nesta data, no ano de 1888, era assinada a “Lei Áurea” pela Princesa Isabel, pondo fim à vergonha da escravidão negra no Brasil.

Não poderíamos deixar de citar o grande poeta do Romantismo – Castro Alves (1847-1871), também conhecido como poeta dos escravos. Entre suas obras destaca-se Navio Negreiro, seu mais conhecido poema abolicionista. Porém, Vozes D’África apresenta igual beleza, além do mesmo discurso comovente contra a injustiça, que notabilizou o artista romântico. O poeta escreve em primeira pessoa, como se ele próprio fosse o continente africano, que clama a Deus por ajuda e pelo fim de um sofrimento ancestral.  Abaixo, você lerá parte do poema.

Vozes d’África 

Deus! ó Deus! onde estás que não respondes?
Em que mundo, em qu’estrela tu t’escondes
Embuçado nos céus?
Há dois mil anos te mandei meu grito,
Que embalde desde então corre o infinito…
Onde estás, Senhor Deus?…

Qual Prometeu tu me amarraste um dia
Do deserto na rubra penedia
— Infinito: galé! …
Por abutre — me deste o sol candente,
E a terra de Suez — foi a corrente
Que me ligaste ao pé…

O cavalo estafado do Beduíno
Sob a vergasta tomba ressupino
E morre no areal.
Minha garupa sangra, a dor poreja,
Quando o chicote do simoun dardeja
O teu braço eternal.
Minhas irmãs são belas, são ditosas…
Dorme a Ásia nas sombras voluptuosas
Dos haréns do Sultão.
Ou no dorso dos brancos elefantes

Embala-se coberta de brilhantes
Nas plagas do Hindustão.

Por tenda tem os cimos do Himalaia…
Ganges amoroso beija a praia
Coberta de corais …
A brisa de Misora o céu inflama;
E ela dorme nos templos do Deus Brama,
— Pagodes colossais…
[...]

Não esqueça de comentar!

posted under Geral, Leituras | 1 Comment »

A origem do Dia das Mães

maio13

A mais antiga comemoração dos dias das mães é mitológica. Na Grécia antiga, a entrada da primavera era festejada em honra de Reia, a Mãe dos deuses.

O próximo registro está no início do século XVII, quando a Inglaterra começou a dedicar o quarto domingo da Quaresma às mães das operárias inglesas. Nesse dia, as trabalhadoras tinham folga para ficar em casa com as mães. Era chamado de “Mothering Day”, fato que deu origem ao “mothering cake”, um bolo para as mães que tornaria o dia ainda mais festivo.

Dia das Mães  também designado de Dia da Mãe , teve sua origem no princípio do século XX, quando uma jovem norte-americana, Annie Jarvis, perdeu sua mãe e entrou em completa depressão. Preocupadas com aquele sofrimento, algumas amigas tiveram a ideia de perpetuar a memória da mãe de Anny com uma festa. Annie quis que a homenagem fosse estendida a todas as mães, vivas ou mortas. Em pouco tempo, a comemoração e consequentemente o Dia das Mães se alastrou por todos os Estados Unidos

No Brasil, em 1932, o então presidente Getúlio Vargas oficializou a data no segundo domingo de maio. Em 1947, Dom Jaime de Barros Câmara, Cardeal-Arcebispo do Rio de Janeiro, determinou que essa data fizesse parte também no calendário oficial da Igreja Católica. E é considerada uma data que move muito o comércio brasileiro.

posted under Geral, Leituras | 2 Comments »

1º de Maio é dia do trabalho. Feriado nacional no Brasil e em outros países.

maio1

No Brasil, 1º de maio é feriado desde 1925. Em muitos outros países também se comemora o Dia do Trabalho em 1º de maio.








Dia do Trabalho por Tarsila do Amaral

A História do Dia do Trabalho remonta do século 18 e durante o século 19,quando as Indústrias da Europa e dos Estados Unidos pagavam baixos salários, e provocavam a deterioração da saúde física e mental dos trabalhadores com jornadas de trabalho que chegavam a dezessete horas diárias. Não havia férias, descanso semanal e aposentadoria. No ano de 1886, na industrializada cidade de Chicago (Estados Unidos), no dia 1º de maio, milhares de trabalhadores foram às ruas reivindicar melhores condições de trabalho, entre elas, a redução da jornada de trabalho de treze para oito horas diárias. Neste mesmo dia, ocorreu nos Estados Unidos uma grande greve geral dos trabalhadores.

Quase seis anos depois dessa “batalha”, que implicaram em conflitos, tiros, bombas, espancamento  resultando na morte de centenas de pessoas e dezenas de feridos,  em Chicago, no Congresso da Segunda Internacional em Bruxelas, de 16 a 23 de setembro de 1891, foi aprovada resolução que tornava o 1º de maio um dia comemorativo de trabalhadores no mundo todo, durante o qual eles deveriam manifestar suas reivindicações.

Aqui no Brasil, existem relatos de que a data é comemorada desde o ano de 1895. Porém, foi somente em setembro de 1925 que esta data tornou-se oficial, após a criação de um decreto do então presidente Artur Bernardes.

Fatos importantes relacionados ao 1º de maio no Brasil:

  • Em 1º de maio de 1940, o presidente Getúlio Vargas instituiu o salário mínimo. Este deveria suprir as necessidades básicas de uma família (moradia, alimentação, saúde, vestuário, educação e lazer)
  • Em 1º de maio de 1941 foi criada a Justiça do Trabalho, destinada a resolver questões judiciais relacionadas, especificamente, as relações de trabalho e aos direitos dos trabalhadores.
Não esqueça de comentar!

 

posted under Geral, Leituras | No Comments »

Millôr Fernandes

março28

Morreu ontem o escritor e desenhista carioca Millôr Fernandes, nasceu no bairro do Méier, no Rio, em 16 de agosto de 1923, mas foi registrado oficialmente em 27 de maio de 1924, conhecido pela sua criatividade e inteligência. Perdemos um grande pensador. Fica a vasta obra, da qual trazemos e fazemos hoje uma pequena lembrança:

O Rei dos Animais
Saiu o leão a fazer sua pesquisa estatística, para verificar se ainda era o Rei das Selvas. Os tempos tinham mudado muito, as condições do progresso alterado a psicologia e os métodos de combate das feras, as relações de respeito entre os animais já não eram as mesmas, de modo que seria bom indagar. Não que restasse ao Leão qualquer dúvida quanto à sua realeza. Mas assegurar-se é uma das constantes do espírito humano, e, por extensão, do espírito animal. Ouvir da boca dos outros a consagração do nosso valor, saber o sabido, quando ele nos é favorável, eis um prazer dos deuses. Assim o Leão encontrou o Macaco e perguntou: “Hei, você aí, macaco – quem é o rei dos animais?” O Macaco, surpreendido pelo rugir indagatório, deu um salto de pavor e, quando respondeu, já estava no mais alto galho da mais alta árvore da floresta: “Claro que é você, Leão, claro que é você!”.Satisfeito, o Leão continuou pela floresta e perguntou ao papagaio: “Currupaco, papagaio. Quem é, segundo seu conceito, o Senhor da Floresta, não é o Leão?” E como aos papagaios não é dado o dom de improvisar, mas apenas o de repetir, lá repetiu o papagaio: “Currupaco… não é o Leão? Não é o Leão? Currupaco, não é o Leão?”.

Cheio de si, prosseguiu o Leão pela floresta em busca de novas afirmações de sua personalidade. Encontrou a coruja e perguntou: “Coruja, não sou eu o maioral da mata?” “Sim, és tu”, disse a coruja. Mas disse de sábia, não de crente. E lá se foi o Leão, mais firme no passo, mais alto de cabeça. Encontrou o tigre. “Tigre, – disse em voz de estentor -eu sou o rei da floresta. Certo?” O tigre rugiu, hesitou, tentou não responder, mas sentiu o barulho do olhar do Leão fixo em si, e disse, rugindo contrafeito: “Sim”. E rugiu ainda mais mal humorado e já arrependido, quando o leão se afastou.

Três quilômetros adiante, numa grande clareira, o Leão encontrou o elefante. Perguntou: “Elefante, quem manda na floresta, quem é Rei, Imperador, Presidente da República, dono e senhor de árvores e de seres, dentro da mata?” O elefante pegou-o pela tromba, deu três voltas com ele pelo ar, atirou-o contra o tronco de uma árvore e desapareceu floresta adentro. O Leão caiu no chão, tonto e ensangüentado, levantou-se lambendo uma das patas, e murmurou: “Que diabo, só porque não sabia a resposta não era preciso ficar tão zangado”.

MORAL: CADA UM TIRA DOS ACONTECIMENTOS A CONCLUSÃO QUE BEM ENTENDE.

Texto foi extraído do livro: “Fábulas Fabulosas”, editado por José Álvaro – Rio de Janeiro, 1964, pág. 23.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
posted under Geral, Leituras | No Comments »
« Older Entries
  • Login
  • WordPress
  • Fale Conosco

  • Large Visitor Globe